Ethernet | Tudo o que você precisa saber sobre essa tecnologia

Por Especialista do ME Atualizado em 11/10/2023 às 00h31

Neste texto, vamos explorar de forma detalhada tudo o que você precisa saber sobre a tecnologia Ethernet.

A tecnologia Ethernet trouxe uma verdadeira revolução nas conexões entre dispositivos e a internet. Desenvolvida há muitas décadas, ela continua sendo uma base sólida em nossa vida digital, passando por atualizações constantes para se manter relevante.

Apesar do crescimento do Wi-Fi, a Ethernet ainda desempenha um papel crucial com seu desempenho superior. A maioria dos roteadores Wi-Fi depende da Ethernet para receber a conexão da internet banda larga do modem e, em seguida, distribuí-la via Wi-Fi com eficiência.

História da Conectividade por Cabos

Antes do Wi-Fi, a Ethernet reinava como solução robusta e confiável para conectar dispositivos. Com cabos Ethernet em redes locais (LAN) ou de área ampla (WAN), as comunicações bidirecionais eram possíveis, permitindo que as máquinas trocassem dados.

Mesmo hoje, a Ethernet mantém relevância, graças à sua transmissão por cabos, garantindo velocidade, segurança e confiabilidade superiores em relação ao Wi-Fi.

Essa preferência é notável, especialmente em ambientes corporativos que valorizam desempenho, integridade de dados e segurança.

História da Ethernet

A Ethernet, desenvolvida em 1973 por engenheiros da Xerox como David Boggs e Robert Metcalfe, possibilitou a conexão de vários computadores em uma única rede local. Seu nome faz referência ao éter luminífero, um fluido infinitamente elástico, indetectável e invisível.

Inicialmente, a Xerox detinha os direitos do nome “Ethernet”, mas em 1983, o Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos formalizou a tecnologia.

Embora outras tecnologias similares existissem na época, a Ethernet se destacou como o padrão preferido devido à sua abertura para todos os fabricantes e à compatibilidade entre versões.

A simplicidade de uso da Ethernet garantia a compatibilidade com versões anteriores. A versão inicial oferecia velocidades de até 10MB, evoluindo para 100MB (Fast Ethernet) em 1995 e 1GB em 1999.

Em 2002, a Ethernet alcançou suporte para 10GB e, no ano seguinte, introduziu o PoE (Power over Ethernet), permitindo que dispositivos compartilhassem um único cabo de energia e rede.

Ao longo dos anos, a Ethernet incorporou pesquisas e novas tecnologias, atingindo 40GB em 2010, e até 100GB no mesmo ano. Atualmente, embora possa suportar até 100GB, para uso doméstico, a taxa de velocidade máxima de 40GB já é muito mais do que a maioria das pessoas precisa.

Ethernet vs Wi-Fi: Entenda as Diferenças

Mesmo que você seja um usuário exclusivo de internet Wi-Fi, é muito provável que já tenha se deparado com cabos e plugues Ethernet, como o cabo conectado ao seu roteador Wi-Fi.

A Ethernet oferece três vantagens fundamentais em comparação ao Wi-Fi: é mais rápida, mais segura e mais estável devido à sua presença física, o que a torna mais eficaz na transmissão de informações.

A Ethernet requer uma rede com cabos instalados, conectando dispositivos por meio de portas compatíveis. Essa infraestrutura tende a ser mais dispendiosa e complexa em comparação ao Wi-Fi, que transmite o sinal sem a necessidade de cabos físicos, aproveitando o espaço aéreo.

A escolha entre Ethernet e Wi-Fi é, portanto, uma decisão que envolve a relação entre comodidade e custo versus desempenho aprimorado.

Além disso, a qualidade do seu sistema depende dos componentes selecionados, como cabos, portas e switches. Portanto, fazer escolhas criteriosas é essencial para obter o melhor desempenho da sua rede.

Conheça as 7 categorias de cabos Ethernet

Hoje, temos sete categorias de cabos Ethernet para escolher, cada uma projetada para atender a diferentes necessidades de redes:

  • Cat 5: Suporta até 100 MB com uma frequência de até 350 MHz.
  • Cat 5e (Aprimorado): Oferece 1 GB de velocidade com a mesma frequência de 350 MHz.
  • Cat 6: Com uma frequência de 550 MHz, permite 1 GB de velocidade.
  • Cat 6a (Aumentado): Oferece incríveis 10 GB com a mesma frequência de 550 MHz.
  • Cat 7: Eleva a frequência para 600 MHz, permitindo 10 GB.
  • Cat 7a: Impressionantes 40 GB com uma frequência de 1 GHz.
  • Cat 8: Possui frequência de até 2 GHz e suporta velocidades de 25 ou 40 GB.

Em seu nível básico, esses cabos consistem em pares de fios trançados envoltos em uma capa de plástico, embora alguns apresentem blindagem metálica adicional.

A blindagem protege contra interferências eletromagnéticas, mas pode tornar os cabos mais rígidos e menos flexíveis. 

Ao adquirir um cabo, você geralmente encontrará informações sobre sua categoria impressas na embalagem ou fornecidas pelo vendedor.

Embora esses cabos sejam robustos, o manuseio incorreto, como conexões frequentes, pode causar danos. É importante tomar cuidado ao passar os cabos em seu ambiente, evitando curvas muito apertadas ou áreas sujeitas a pisoteio.

Embora cabos mais finos sejam flexíveis, eles tendem a ser menos blindados e, portanto, menos duráveis. 

Quando danificados, esses cabos podem funcionar, mas a velocidade pode ser limitada, pois os dispositivos podem identificá-los como uma categoria inferior. 

Aproveite que está aqui e descubra qual é a verdadeira velocidade da sua conexão, por meio do medidor de velocidade do Melhor Escolha.

Entendendo as portas Ethernet em roteadores

Na maioria dos roteadores e sistemas semelhantes, você encontrará um número limitado de portas Ethernet, e essas portas também têm suas classificações específicas.

As portas Ethernet variam geralmente entre 2,5 GB e, em alguns casos, suportam incríveis 10 GB de velocidade de dados. A informação sobre a taxa máxima de dados é frequentemente impressa nas próprias portas dos roteadores, facilitando a verificação e escolha adequada para a sua rede.

A Importância dos Switches para expandir sua rede

Se você está em busca de mais portas para conectar cabos e rotear dados, um switch é a solução ideal. Eles vêm em diversos tamanhos e especificações, oferecendo flexibilidade para conectar cabos do seu roteador a vários dispositivos e espaços diferentes.

Os switches podem ser classificados em duas categorias: gerenciados e não gerenciados. Se você deseja ter controle sobre a sua rede, como monitoramento, personalização e adição de recursos de segurança, um switch gerenciado é a escolha certa.

Por outro lado, os switches não gerenciados não oferecem opções de personalização, mas são uma opção mais econômica e adequada, especialmente para uso residencial, sendo a escolha mais comum.

Como usar Ethernet em casa?

O uso de cabos Ethernet oferece vantagens evidentes, como velocidade, segurança e estabilidade na sua conexão. 

No entanto, a instalação pode representar um desafio, frequentemente envolvendo a passagem de fios por meio de furos para alcançar locais específicos sem danificá-los. Mesmo com essa dificuldade, as vantagens superam os obstáculos.

Embora o Wi-Fi seja mais simples de usar, muitas vezes não atende às expectativas do plano de internet fibra que você contratou. É por isso que a Ethernet mantém sua relevância. 

Uma estratégia eficaz pode ser a combinação de ambos: usar o Wi-Fi para dispositivos móveis, como smartphones, enquanto cabos Ethernet conectam aparelhos que exigem desempenho superior, como Smart TVs, TV Boxes, consoles de jogos e computadores, entre outros.

No entanto, a ideia de espalhar cabos por todos os dispositivos podem criar uma confusão de fios que prejudica a estética do ambiente.

Se essa for a sua situação, é essencial planejar cuidadosamente, possivelmente com a ajuda de um profissional qualificado, como os cabos serão instalados para obter os melhores resultados, sem comprometer o visual do ambiente.

Gostou do conteúdo? Para mais textos que falam sobre tecnologia, análises, novidades e muito mais, continue nos acompanhando. 

Leia também internet fibra ótica: como funciona, qual a melhor internet banda larga do Brasil